sexta-feira, 22 de maio de 2015

Transei com a mulher do meu tio.



Olá minha aventura começou numa tarde de verão o dia estava muito quente e abafado. Meu nome é Marcos.
Eu estudava e morava com meus tios. Na verdade meu tio Pedro irmão de minha mãe estava no segundo casamento.
Estava na casa dele por algum tempo até conseguir um trabalho, pois estava apenas estudando e a grana que meus pais me davam era curta, não dava para pagar aluguel. Meus pais moravam no interior
Naquela sexta feira não tive todas as aulas voltei mais cedo.
Chegando a casa encontro meu tio e sua esposa tomando cerveja.
Meu tio é um pouco mais velho que sua esposa o que pode ser percebido de imediato, pois ela era muita gata e vestia-se como uma ninfetinha, com calça de legging marcando suas calcinhas fio dental, sem deixar de mostrar sua xoxota inchadinha que parecia um capô de fusca.
Eu olhava e ficava cheio de tesão afinal era jovem ainda tenho 19 anos com 1,80 pesando 82 kg, com braços e pernas bem desenvolvidas devido academia que faço desde os meus 16 anos.
Sem deixar de citar meu dote de 21 cm que sempre soube deixar as moças da minha cidade louquinhas por mim.
Fazia 03 semanas que eu não ia para casa, estes dia todos sem dá uma trepada estava me deixando na saia justa todos os dias quando ia tomar banho batia uma punheta bem gostosa e quem povoava minha cabeça era a mulher do meu tio.
A punheta era mais gostosa ainda quando eu encontrava alguma calcinha dela esquecida no Box do banheiro esfregava na cabeça do cacete que chegava a delirar chamando-a pelo seu nome.
 O tesão era demais.
Teve um dia que peguei a calcinha dela sentia a umidade dos fundilhos que fiquei cheirando enquanto punhetava, êta cheiro de xoxota delicioso.
Parecia que tinha mel.
Assim os dias se passavam.
Meu tio adora beber e ficava ouvindo música alta, naquele dia ele que voltei mais cedo meu tio estava em casa bebendo assim que me viu me ofereceu cerveja eu não aceitei, pois nunca gostei de beber.
Mas fiquei com ele na cozinha conversando e a cada momento sua esposa, ou seja, minha tia por consideração sempre trazia mais cerveja e petiscos.
Já se percebia que meu tio estava um pouco alto devido ao grande consumo da bebida.
Depois de muita cerveja meu tio almoçou e foi dormi.
Eu fiquei na sala assistindo TV, quando ouvi o celular tocar era o aparelho da minha tia (Flávia) fictício. Ela veio apressada atender.
Sem querer a ouvi dizendo para a pessoa do outro lado da linha, mesmo assim!
“Pois é amiga acredita que o marido encheu a cara de novo e foi dormi, já não aguento mais de tanto ficar na seca”.
Que droga viu casar com homem mais velho dá nisso!
E ouvi risos e umas frases solta, pois é amiga acho que vou ter que contratar um já não suporto mais essa secura de sexo!
Está bom depois conversamos e finalmente ela desligou celular.
-Quando veio até a sala ficou um pouco acanhada acho que havia esquecido que eu estava ali na sala.
Ela veio até o sofá sentou ficando de frente para onde eu estava.
E claro que eu a olhava e levei até um susto quando ela me perguntou.
Bem assim.
Marcos me diga uma coisa.
O que você acha de ganhar um dinheiro extra?
Seria ótimo... Estou precisando mesmo de comprar uma camisa nova.
Mais não posso atrapalhar meus estudos agora.
Foi quando ela disse que não seria trabalho e não iria atrapalhar em nada meus estudos. Que seria algo bem prazeroso.
Claro que eu percebia seu nervosismo, mas precisava que ela dissesse do que se tratava, eu não poderia dá um passo à frente sem ter certeza do que ela queria realmente.
 Flavia a minha tia por consideração era uma coroa bem gostosa.
 Com tudo em cima tinha um seios bem durinhos no quais eu pude provar um pouco mais tarde no meu quarto.
Ficamos quietos por alguns minutos sem nada dizer, o silencio era ate que Flávia veio sentar a meu lado e eu pude perceber que estava com a respiração ofegante.
Logo sua perna estava encostada à minha assim quase roçando mesmo.
Fiquei desconcertado, pois a cada momento meus pensamentos me causavam excitação.
Caramba sou jovem, fiquei logo de pau duro, sentindo calor de sua perna roçando na minha. Ela safada e bem mais experiente do que eu provocava mesmo.
Depois de olhar bem em meus olhos Flávia que sorria começou um papo muito intimo.
Pois bem minha “tia” Flavia me perguntou se eu era virgem.
 Eu menti dizendo que era.
Foi assim que minha tia ficou doida de excitação.
 Jura Marcos que você nunca meteu em uma xoxota?
“Não” “tia” as meninas não me dão e eu não quero recorrer a prostitutas. Pois bem deste momento em diante a conversa foi só putaria.Ela xavecava
 Na maior cara de pau.
Foi quando ela disse que meu tio não estava sempre presente deixando-a há dias e até semanas sem sexo: Poxa a coroa estava necessitada.
Ela confessou que andava muito carente que adorava sexo oral e anal e meu tio estava mais ligado em trabalhar deixando-a sozinha e carente.
E pensou que estes dia ia mudar algo, mas está há uma semana ele a deixava em brancas nuvens.
 Ai fudeu tudo a coroa estava alucinada de tesão.
 A cada momento meu cacete ia ficando mais duro, eu tomei coragem e perguntei a minha tia se ela queria transar comigo.
Também entrei no jogo dela e convidei mesmo para transar.
Ela fez um sinal com um dedo nos lábios pedindo silencio e me levou ate o final do corredor onde era meu quarto.
 Entramos e. Fechamos a porta e Flavia já começou apalpando meu cacete por sobre a roupa exclamando.
Nossa que cacete duro e grosso!
Estou louquinha para sentir este cacete gostoso me rasgando.
-Eu te dou ele todinho putinha safada onde você quiser.
Aí fui à loucura tirei sua roupa e a minha em minutos.
Ela vendo meu cacete duro envergado de tesão não demorou e começou a chupar, lambia a cabeça enfiava ate o talo babava meus culhões.
Uma boqueteira de primeira, e falava ai delicia Marcos vou te chupar ate você dá leitinho na boquinha de sua tia*.
Eu mexia e socava meu cacete em sua boca.
Caracas que delicia ser chupado com tanta desenvoltura, eu segurava em sua cabeça e atochava cacete. Ela gulosa tossia, entalava engasgava, mas não deixava de me chupar. Estava uma loucura.
Aí a tiazinha disse que queria que a fudesse com força e vigor.
Fiz a safadinha ficar na cama de solteiro, e eu em pé coloquei uma camisinha deu uma salivada na xoxota, a puta gemeu gostoso quando sentiu minha língua lambendo seu grelo.
Mas o tempo era nosso inimigo precisava afundar meu cacete naquela xoxota gulosa e carente.
Não dei vez fui lentamente encostando o cacete e senti seus lábios vaginais, engolindo meu cacete cm por cm.
 Ai Flavia começou e gemer.
Eu atochei mesmo até senti que só tinha de fora os culhões.
Segurava em sua cintura e com movimentos de vai e vêm eu socava meu cacete todo, e ela gemia e rebolava pedindo mais.
Caramba 21 cm de cacete e ainda pedia mais a fome era muita.
Socava o cacete sem dó nem piedade.
Foram momentos de puro tesão eu me senti um verdadeiro garanhão galopando em uma potranca alucinada, quando mais eu socava mais Flavia gemia. Era bom demais metendo dando tapas em sua bunda gostosa que chegava estalar.
Aos poucos ela foi se entregando.
E com uma intensidade anormal, senti seu corpo estremecer de gozo, caprichei mais e acelerei com estocadas firmes e logo senti meu cacete se encorpar se preparando para o gozo final. Meu gozo se aproximava ai pensei é agora ou nunca.
Acelerei e tirei meu cacete de sua xoxota e com vontade enfiei em seu rabo.
Ela foi à loucura gemia e chorava pedindo pra tirar, mas é claro que não fiz isto fiquei acariciando sua bunda e ela aos poucos se acalmou e começou a rebolar.
A safada achava que eu ia dispensar de comer o rabo dela se enganou.
Soquei por mais de 5 minutos e explodi em um gozo intenso.
Ela uivava como se fosse um animal no cio. Pois Flávia gostou tanto que gozou intensamente, só que agora com meu cacete atochado em seu rabo.
O orgasmo simultâneo é o maior prazer que um casal pode sentir. Unidos em um só êxtase.
Foram muito bons os dias que passei na casa do meu tio.
Eu até penso que ele sabia de tudo, pois sempre deixava uma brecha então como não sou bobo aproveitava.
E não foi uma única vez que a comi em sua cama ela fazia questão, até parecia um fetiche de ela ser fodida na cama deles perto da hora do meu tio chegar do trabalho. Teve uma vez que tínhamos acabado de transar ele chegou  a safada saiu do quarto para receber ele e o beijou com a boca com gosto do meu cacete pois tinha me chupado bastante e eu tinha gozado em sua boca. Foi a minha melhor amante ela me provocava o tempo todo sentava na sala vento TV sem calcinha e eu em frente ela abria as pernas só pra me provocar, eu ficava louco de tesão. Sorte minha que tinha almofadas pra disfarçar.
Ficava com medo de o meu tio desconfiar. Quase perco até de ano, pois não tinha cabeça para estudar só pensava na putaria que ia fazer com ela assim que meu tio saia de casa.
Mais aproveitei o que pude ate que foi preciso mudar de casa fui morar só, mais ela continuava me dando na boa sem remorso algum de trair ele.
Até eu e um colega da faculdade fizemos uma DP, foi bom demais ver a safada gritar com nós dois atochando direitinho nela.
Ela gemia muito ainda mais que meu colega era um negro com um cacete enorme quando ele tirou do rabo e fomos inverter os papeis meu cacete entrou fácil fácil, pois meu colega arrombou direitinho ela.
Eu gostava muito dela mais queria mesmo era realizar todos os meus fetiche e os dela também e conseguir. Hoje sou casado e já estou bem escolado na arte de seduzir uma mulher.
Mais nunca deixei de dá meus pulos.
Sou muito grato a ela que soube me realizar como homem hoje sou um homem realizado e sei deixar minha esposa sempre realizada e feliz.
E claro que todas que caem na minha lábia ficam com saudades, mais procuro ser o mais discreto possível.
Pois o meu prato preferido e xoxota e nunca rejeito, deu espaço estou dentro.


Docecomomel(hgata)
Feira de Santana 22 de maio de 2015.

sexta-feira, 15 de maio de 2015

Vizinha putinha.



Olá eu sou o Paulo casado trabalho em uma indústria pelo turno da noite. Sempre quando vou visitar minha mãe que mora em um bairro  um pouco distante do meu ,eu vou sozinha,pois minha esposa trabalha e é em finais de semana que saímos juntos.Então para todos os efeitos tenho os dias livre para ir para onde eu quero.
Quando eu tive esta aventura que vou relatar abaixo foi em um dia que fui visitar minha mãe.
Quando passava próximo ao ponto de ônibus avistei a filha da vizinha de minha mãe a Adriana.
Moça linda morena de cabelos longos, olhos pretos boca carnuda e um par de seios que me deixavam louco de tesão. Eu babava de tesão quando a via na casa da minha mãe,mais como sou casado não podia dá bandeira.Parei ela veio até o carro ofereci carona,ela aceitou pois estava atrasada para o trabalho.
Ia dirigindo sem deixar de olhar suas coxas grossas, pois seu vestido teimava em subir, parecia que era para me provocar.
Conversávamos coisas amenas, ela com 23 anos solteiros um pitéu de gostosa.
Sem namorado foi o que ela me disse quando perguntei que horas iria sair do trabalho, ela me disse as 14.30 perguntei se poderia vim busca-la ia ficar o dia todo de bobeira na casa da coroa.
Ela disse que sim, foi que falei depois podemos sair comer algo?
Ela rindo falou sem problemas.
Uau delicia mais a única coisa que eu queria comer mesmo era ela a xoxota deliciosa dela.
Voltei para casa de minha mãe fiquei de boa conversando vendo TV almocei e falei que já iria embora, às 14 horas em ponto estava estacionado perto do trabalho.
Logo avistei Adriana, ela veio até o carro liguei o carro e sai andando a esmo pelo centro, claro que queria leva-la a um lugar bem aconchegante.
Quando passava perto de um motel reduzir a velocidade e fiz sinal de entrar, mais parei na portaria olhei para ela e dizendo e ai aceita ficar comigo por algumas horas?
-Ela disse você é louco eu conheço tua esposa!
O que tem eu conheço ela há muito tempo e como ela sempre.
-Engraçadinho!
-Sem dizer mais nada entrei pedi um apartamento estacionei o carro. Abri a porta e vim busca-la no carro,peguei-a no colo deixando em cima da cama.
-Ela toda melosa disse você é muito galante?
Mulher tem que ser tratada com uma flor.
-E rimos. Logo que entramos ela disse que ia tomar um banho deixa ela entrar no banheiro e logo fui atrás já estava super excitado ela estava de costas se ensaboando abracei-a por trás e meu cacete ficou roçando em sua bunda linda;Ela toda arrepiada eu com cacete duraço esfregava-me nela ,apertava seus seios,sua bunda gostosa e durinha.Comecei passar a língua pelo seu ouvido,e ia descendo pelo pescoço,ela tremia de tesão.Virei de frente para mim e comecei a beijar sua boca,chupar sua língua e com uma das mãos apertava o biquinho dos seios.Ela gemia ronronava parecia uma gata no cio.
Esfregava-a embaixo do chuveiro delirando de tesão, ai sai do boxe senão iria não aguentava e logo gozava. Ela se enxugou lentamente eu com os olhos vidrados em sua xoxotinha lisinha.Ela terminou de se enxugar peguei-a no coloco levando até a cama, comecei beijando seus lindos pezinho e fui subindo roçando a barba em toda extensão de suas pernas logo estava esfregando a barba d eleve  entre suas coxas roliças e  em segundos fui abrindo suas pernas que ficaram escancaradas ai  logo eu cai de boca naquela xoxotinha rosada e cheirosa.Chupava com muito gulodice ela gemia gritava arranhava meus ombros puxava meu cabelo forçava com os pés como se quisesse que eu entrasse em sua gruta linda e melada.Pedia implorava que a chupasse mais que enfiasse mais a língua em sua xoxota gostosa.Eu estava como louco chupando e mordiscando seu grelo,até pensei que não ia suportar em esperar para gozar dentro.Ai virei e meu cacete ficou bem junto a sua boca foi quando eu falei mama putinha neste teu cacete duro.
-Caracas eu nem tinha fechado a boca a safada abocanhou meu cacete e começou A me pagar o melhor e mais delicioso boquete de minha vida. Gemia e balbuciava palavras desconexas.Foi quando enterrei a cara na  xoxotinha dela,metia língua sugava o grelo roçava a língua no seu anel ela não aguentou começou a gozar na minha boca.
Saboreei cada gota de seu mel, metia língua bem dentro mesmo ela ficou mole seu corpo tremia todo. Nunca tinha visto uma mulher gozar tanto como Adriana.
Valeu a pena minha investida, pois foi uma das melhores trepadas que já tive fora do casamento. Ai fiquei deitado e puxei ela para cavalgar.
Safada sabia das coisas, sabia despertar o macho, ficou em pé sobre a cama e veio rebolando descendo como se tivesse fazendo um streaper tese. Agachou ficando de cócoras na direção do meu cacete que latejava babava de tesão, ai sentou sentia como se a xoxota dele estivesse febril de tanto calor que emanava de seu corpo. Ai foi só prazer ela subia descia.Eu segurava em sua bunda e socava sem parar.Adriana gemia gritava fazia loucuras m incitando com suas palavras obscenas.
Pequei a coloquei de quatro (4). E comecei a socar sem parar a segurava em seus cabelos fazendo como se fosse uma rédea e sem dó nem pena cocava até que ela não aguentou mais e pediu. Ai Paulo você me mata de fuder goza me da leitinho dá.
Eu dei mais umas estocadas fortes e enchi sua xoxota de leite. Gozei tanto e continuei socando por algum tempo que o esperma começou a sair escorrendo pelas pernas. Ela ficou quieta eu sai de cima fui tomar banho logo voltei pedi no interfone  algo para comermos e ficamos até bem tarde da noite só fudendo.
Até que já exaustos fomos embora e depois de uma semana saímos novamente só que dessa fez ela fez questão de me dá seu cuzinho é claro que fiz com muita vontade, mais Adriana gemia tanto que pensei que ia arrombar com ela.
Quando ela percebeu que eu estava com meus 21 cm todo atochado em seu rabo quis dá para trás, mais segurei em seus ombros e falei relaxa amor que o pior já passou soquei com muito jeito até gozarmos junto, sentir seu clitóris latejando nas pontas dos meus dedos enquanto eu gozava em seu rabo foi um prazer imensurável.
Coisas que acontecem uma única vez mais que são inesquecíveis para sempre.

Docecomomel (hgata)
Feira de Santana, 14 de maio de 2015.
Instagram:docecomomel 2011

domingo, 3 de maio de 2015

Ménage com filho e sua mãe.




Sempre uma variedade no cardápio faz bem. Olá! Meu nome é Marcos, atualmente tenho 37 anos e sou casado e com filho. Tenho uma vida normal como todo homem hétero, mas na minha juventude tive uma experiência homo que duraram alguns anos. Foi muito prazerosa e ainda hoje sinto muito tesão quando lembro os momentos prazerosos que vivenciei nos tempos de outrora que não voltam mais.
Para evitar problemas, usarei nomes fictícios e com idades também diferenciadas.
Eu morava em um sítio afastado da cidade e tinha um colega com quem sempre brincava, era meu vizinho. Nossas brincadeiras eram coisas típicas da idade e ainda mais que éramos do interior, coisas completamente diferentes de agora.
Os jovens, quando chegavam da escola, iam brincar no riacho ou então pegar frutas no pomar. Eu tinha esse colega da minha idade, com diferença de meses apenas. Um dia estava no riacho tomando banho, sem roupas. Era um lugar ermo. Só tinha mesmo muitas árvores e ficávamos brincando pulando de uma elevação. Notei que este meu colega ficava olhando muito para meu cacete.
Eu ainda não sabia o que era mulher, nunca tinha trepado, só batia punheta mesmo. Quanto tempo perdido, eu penso.
Pois bem, este colega se chamava Lucas, era filho único e sua mãe o vigiava demais.
 Quando atravessei o  pequeno riacho nadando, vim ficar junto a meu colega. Ele não tirava o olho do meu cacete. Fiquei inibido, mas sem lealdade alguma. Perguntei:
- Nunca viu um cacete, não, Lucas? Que droga! Não para de me olhar!
-Afirmei já furioso.
Foi quando, para surpresa minha, ele disse:
- Deixa-me pegar?
Senti de imediato uma ereção, mas falei:
- Se eu deixar pegar, você chupa ele?
Lucas não respondeu.
Veio para mais perto de mim, esticou a mão e segurou meu cacete.
Foi alisando e a cada momento, ia ficando mais duro. Ele se ajoelhou a meus pés, abriu a boca e começou a me pagar um boquete, o primeiro boquete de minha vida.
Que boca macia! Sua saliva molhava meu cacete  todo, deixando todo salivado. Caracas! Até hoje eu não aguento lembrar que fico excitado.
Eu queria parar, mas não conseguia, pois estava delicioso, estava sentindo sensações jamais sentidas pelo meu corpo todo.
Só quem lembra como é a primeira vez que pode distinguir como é o prazer que sentimos.
Pois Lucas chupava com intensa maestria. Aí comecei a apalpar a bunda dele, que era uma bunda muito bonita, até parecia que era bunda de mulher. E aos poucos fui encoxando-o mordendo seu pescoço.
Eu forçava meu cacete duro na sua regada, mas ele  não cedeu de imediato.
Eu sabia o que queria e ele também sabia que queria me dar. Então ele falou:
- Vamos ali que é melhor.
Nós dois fomos andando para um lugar onde tinha uma arvore caída.
Ele se apoiou ficando com corpo inclinado e disse:
- Vem que quero ser tua fêmea.
Claro que só sabia de sexo pelo que via dos animais do sítio, mas a mãe natureza ensina e logo eu estava com cacete entre sua regada forçando e nada, sem conseguir meter.
Ele disse:
- Cospe que entra.
Afastei o cacete, dei uma cusparada no buraco do rego, lambuzei meu cacete todo de saliva e fui com muita sede ao pote.
Forçava e parava o fazendo gemer a cada momento que meu cacete se alojava em seu rabo. Que bunda gostosa Lucas tinha. Eu apertava sua bunda,  fungava no seu pescoço e empurrava o cacete todo até que não tinha mais nada para meter.
Quando ele começou a rebolar com  meu cacete todo atochado em seu rabo, fui ao paraíso.
Delícia demais.
Eu alisava a bunda dele, dava tapas de leve, falava em seus ouvidos que sua bunda era gostosa.
Quando vi  que já não tinha mais nada para meter comecei a forçar dando estocadas fortes. Ele gemia, rebolava dizendo que estava gostoso. Seu corpo de encontro ao meu fazia um barulho imenso. Estávamos loucos alucinados e quando Lucas começou a gozar eu senti seu reto friccionar meu cacete latejando e apertando. Não aguentei comecei a gozar. Parecia um cavalo garanhão, pois foi meu primeiro gozo de verdade que não foi com punheta. Gozei de ficar largado, corpo suando, tenso, o primeiro orgasmo de um rapaz que até então não sabia o que era sexo de verdade.
Lucas ficou arfando, pois também era a primeira vez dele.
Assim ficamos íntimos e toda semana tínhamos o compromisso de trepar. Algumas vezes no riacho, outras em sua casa na ausência da mãe dele. Muitas vezes, ele doido para me dar, vinha até o nosso sítio.
 Éramos vizinhos.
Só bastava o tesão surgir e lá vinha Lucas louco querendo ser minha fêmea.
 Eu adorava transar com ele muitas vezes.
 Ele me deixava gozar em sua boca e ele bebia tudo. Não desperdiçava nada. Sempre dizia que eu era o macho dele, incondicional que poderia fazer tudo que eu desejasse...
Algumas vezes ele vinha com calcinha por baixo da bermuda e fazia questão de desfilar para mim. E claro que tudo era um tesão.
 Assim eu fiquei até meus 21 anos, com Lucas fiquei três anos sendo seu macho seu dono.
 Eu gostava mesmo dele.
 Sabia que podia contar com ele, não dava bandeira para todos, éramos amigos.
Aí um dia a mãe de Lucas me chamou em sua casa. Sou homem e não fujo da raia.
Ele perguntou se era verdade o que Lucas tinha dito a ela.
Eu respondi que só poderia afirmar se ela disse o que ele tinha dito.
Ela me olhou nos olhos e falou:
- Lucas me disse que vocês são namorados.
- Bem namorados, não. Mas que fazemos algumas coisas juntos eu afirmo.
- E mesmo eu sabendo, você continua com ele?
- Claro; fica até melhor, pois assim ele fica mais à vontade, mas tem que ser segredo só de nós três.
- Entendo... Você pretende se casar?
- Claro! Quero ter filhos, ter uma família. E posso também ficar com Lucas até quando ele achar que deve.
- Ah! Entendo.
Ela disse então:
- A partir de hoje vocês podem transar aqui em casa!
- Hum... Que legal!
Será bem melhor não é, Lucas?
- Claro que sim.
- Ele ainda um pouco tímido afirmou.
Depois disso, começamos a transar mais vezes, até deixar porta do quarto aberto deixávamos.
 Um dia a mãe dele entrou.
 Olhou para nós, fixou os olhos no meu cacete e disse que cacete grande, hein?
Sorrimos os três, mas logo eu disse:
- Quer segurar um pouco?
Ela olhou para Lucas.
 Trocaram apenas um olhar de consentimento, e logo ela veio até perto e começou a me acariciar.
-Eu, como sou bem safado, disse:
- Se quiser, podemos tentar a três.
- Hum... E tem tesão assim?
- Claro. Demoro bastante para gozar. Divido meu tesão com os dois.Concorda, Lucas?
Foi quando eu disse, afinal sempre quero comer uma xoxota.
- Claro amor! O que você quiser eu quero.
Pronto, o sinal foi dado. Tinha agora era que aproveitar e comer muito a coroa ,pois era tão safada quanto seu filho.
 Assim começamos a fazer ménage. Sempre uma ou duas vezes na semana, eu adorava estar comendo Lucas e a mãe dele, chupando, lambendo meus culhões. Eu fazia Lucas gozar e atacava a coroa, que gemia escandalosamente na cabeça do meu cacete.
E, por um bom tempo, ficamos assim até que precisei mudar do sítio pra cidade e tive que deixar meu amor maior para trás... Lucas e sua mãe. Depois de três, anos voltei ao sítio e eles haviam se mudado. Uma pena, pois até hoje quando me lembro das fodas que tive com Lucas sinto maior tesão.
Sem deixar de contar as inúmeras posições que a mãe dele me ensinou. Uma verdadeira puta safada. Agora o tempo passou. Sou casado, minha mulher não gosta de anal e eu fico com saudades dos tempos que passaram e não voltam mais.Sempre uma variedade no cardápio faz muito bem.


Docecomomel (hgata)
Feira de Santana, 03 de maio de 2015.
Bahia Brasil
http://sensacoescomemocoes.blogspot.com.br/

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...